MORA[1]

[ELABORAÇÃO, CONSTRUÇÃO E VERIFICAÇÃO DE UNIDADE HABITACIONAL DE BAIXO CUSTO SOB A ÓTICA DA FLEXIBILIDADE]

1

2

3

4

5

6

7

8

9

10

RESUMO

A pesquisa em questão trata da elaboração, construção e verificação de projeto de unidade habitacional MORA[1], considerando a diversidade de modos de vida da sociedade atual, seus usos e relações com o espaço habitável. O conceito principal da proposta será a flexibilidade da habitação no seu sentido mais amplo: espacial – funcional, dos elementos constitutivos, da sustentabilidade dos materiais e dos sistemas.Oprojeto será destinado às famílias com renda entre 3 a 5 salários mínimos. Este trabalho tem como proposição a equalização das lacunas deixadas por pesquisas anteriores sobre HIS ao contemplar além das variáveis ambientais / construtivas /econômicas / políticas comumente estudadas, também o desenho/ tipo das unidades visando a flexibilidade, sendo todas desenvolvidas de forma simultânea. A proposta projetual baseia-se em pesquisas de avaliação pós-ocupação de aspectos comportamentais, funcionais, tecno-construtivos e de conforto, assim como o entendimento da evolução tipológica na cidade de Uberlândia (MG). Com base nas discussões e pesquisas avaliativas sobre a qualidade dos espaços de morar em habitação de interesse social, a proposta deverá considerar a diversidade de modos de vida da sociedade atual, seus usos e relações com o espaço habitável na cidade de Uberlândia. Paralelamente, pretende-se discutir a relevância da avaliação pós-ocupação no processo de projeto de empreendimentos habitacionais de baixos custos como elemento central da busca por moradias de qualidade.

O PROJETO

O projeto proposto, que contempla famílias com renda entre 3 a 5 salários mínimos, também discute a implantação de HIS em áreas centrais, ou “social e culturalmente” inseridas na malha urbana da cidade de Uberlândia (MG) no sentido de não reproduzir o padrão periférico e precário de localização de moradias de baixo custo comumente ofertadas em cidades de médio e grande porte no Brasil. A baixa qualidade espacial, tanto do ponto de vista da implantação urbana, como das tipologias ofertadas, das unidades habitacionais destinadas às classes menos favorecidas oferecidas no Brasil, têm sido amplamente abordadas e discutidas por vários pesquisadores brasileiros (MARICATO, 2001; ROLNIK, 1997).
O quadro geográfico da localização de HIS em áreas urbanas indica uma situação de abandono da população trabalhadora mais pobre nas franjas periféricas das grandes cidades brasileiras. Além de, ao lado destes grandes conjuntos que se formam nas periferias das cidades, a solução da ocupação pura e simples de glebas vazias e os loteamentos clandestinos continua até hoje a responder à maior parte da demanda habitacional dos excluídos do sistema (FERREIRA, 2005).
Ao avaliar a habitação de interesse social no Brasil, percebe-se que a necessidade de revisão dos modelos propostos é muito grande. Freqüentemente as discussões e pesquisas sobre habitação social se centram nos temas como políticas públicas, técnicas e métodos construtivos, materiais alternativos que visam melhorias no conforto geral dos usuários, e outros temas afins. Entretanto, o desenho destas habitações permanece praticamente o mesmo há décadas, apenas com variações de cunho construtivo alternativos, sem que, contudo, a função e a articulação dos espaços de habitar sejam sequer questionadas. Fatores como a diminuição no número de membros, a conseqüente alteração de papéis com a redistribuição da autoridade ou mesmo a falta de consenso sobre quem realmente é o chefe, o aumento no número de mães trabalhando fora, a independência cada vez mais acentuada de seus membros, entre outros, indicam fortemente a necessidade de revisão dos modelos tradicionais de morar (VILLA, 2008).
Desta forma, este trabalho tem como proposição a equalização das lacunas deixadas por pesquisas anteriores ao contemplar além das variáveis ambientais/construtivas/econômicas/políticas comumente estudadas, também o desenho/tipo das unidades visando a flexibilidade, sendo todas desenvolvidas de forma simultânea.

Anúncios